top of page
  • Foto do escritorMilena Costa Santos - OAB/PR 100737

O que é Inventário e como realizá-lo?

O inventário é um procedimento que ocorre após a morte de uma pessoa que deixa bens e herdeiros. É feito o levantamento do patrimônio total do falecido para que este possa ser dividido entre os herdeiros, de acordo com as regras previstas e vigentes da legislação. No Brasil, existem duas formas

de fazer um inventário, por via judicial, através de processo judicial, ou, extrajudicial, através de Escritura Pública assinada em cartório.



Conforme determina a lei, os herdeiros necessários são os descendentes, os ascendentes e o cônjuge. Dessa forma, quando o falecido deixa bens, pelo menos 50% desse patrimônio deverá ser dividido obrigatoriamente entre eles.


É possível que o autor da herança faça um testamento  para indicar outras pessoas que receberão os seus bens, mas essa transmissão nunca poderá ultrapassar 50% do total do patrimônio (Leia mais sobre a Importância do Testamento)


Existem duas modalidades de inventário, o inventário judicial e inventário extrajudicial. O inventário judicial é aquele que, deve-se utilizar a via judicial para que os herdeiros possam regularizar o patrimônio deixado pelo falecido. Essa modalidade é obrigatória quando há herdeiros incapazes ou testamento. Além disso, é a opção disponível para quando os herdeiros litigam a respeito de certa demanda, ou bem. Já o inventário extrajudicial é feito por escritura pública em cartório, a qual constituirá documento hábil para qualquer ato de registro, bem como para levantamento de importância depositadas em instituições financeiras (Leia mais o Inventário em Cartório).


O custo para fazer um inventário está relacionado a alguns fatores como valores dos bens deixados pelo falecido, se há concordância entre os herdeiros, se o inventario será feito judicialmente, ou extrajudicialmente. Portanto, é importante analisar individualmente quais são os custos em cada

caso. Em regra, o inventário extrajudicial costuma ser mais barato, pois é um procedimento mais simples e rápido.


A presença e atuação do advogado é obrigatória e indispensável, seja para os processos de inventário extrajudicial ou judicial. O papel do advogado será esclarecer todas as dúvidas, reunir os documentos necessários, orientar os herdeiros com relação a partilhas dos bens e auxilia-los, atendendo a todas as

exigências legais do procedimento que está sendo realizado.


Por este motivo, recomenda-se a busca por advogados especializados em Direito Sucessório, para que este faça as devidas orientações, acompanhando o procedimento e trazendo segurança jurídica para todos os herdeiros.

Comentários


Ativo 1_360x_edited.png
bottom of page